• Iniciação Cientifica: entenda o que é e como funciona?

    o que é iniciação científica e como funciona

    Ciência é uma palavra que possui sua origem no latim e significa “conhecimento”. Ela busca, por meio de pesquisas, observações, estudos e iniciação científica, descobrir teorias de vários ramos, como a matemática, a física e a biologia, por exemplo. Dessa forma, conhecimentos podem ser criados, abandonados e até aperfeiçoados.

    Dentro da graduação existe uma forma de colocar as teorias em prática por meio de experiências, ou seja, de “fazer ciência”. Muitos estudantes não sabem, mas as pesquisas realizadas não são restritas aos doutores e mestres, sendo que, por meio da Iniciação Científica oferecida pelas universidades, é possível aos alunos participar.

    Saiba, neste post, o que é, como funciona e qual a aplicação da Iniciação Científica na sua futura carreira. Boa leitura!

    O que é Iniciação Científica?

    O programa de Iniciação Científica visa incluir alunos da graduação em grupos e linhas de pesquisa dentro da Universidade, sob a supervisão de um professor-orientador experiente no ramo e assuntos pesquisados.

    Para desenvolver experimentos e a pesquisa em si é preciso formular o problema e o modo de enfrentá-lo, coletar os dados e resultados e analisá-los, e, após buscar o conhecimento existente na área, tirar conclusões.

    Dessa forma, são estabelecidos conhecimentos sobre métodos científicos e de pesquisas, teorias e aprendizagem de técnicas. Por fim, o pensar cientificamente possibilitará o exercício da criatividade e a oportunidade de trabalhar em grupo, ao discutir e bolar planos com os colegas de pesquisa.

    Além disso, promove o aprendizado para lidar com as adversidades que um trabalho científico pode trazer para o dia a dia. Afinal, ao realizar um projeto aprende-se a lidar com o desconhecido e a encontrar caminhos diferentes para a sua resolução.

    Sendo assim, a Iniciação Científica é uma excelente oportunidade durante a faculdade, visto que desperta a vocação para a área científica nos estudantes e promove a descoberta de novos talentos. Essa oportunidade deve ser aproveitada principalmente por quem deseja trabalhar na área de pesquisa ou continuar na área acadêmica, sendo, futuramente, um professor-orientador, mestre ou doutor.

    Quais passos seguir para alcançar a Iniciação Científica?

    Saiba que conseguir uma vaga de Iniciação Científica para realizar pesquisas, depende, em grande parte, de sua força de vontade. Sendo assim, é preciso primeiramente procurar informações em sua universidade e descobrir quais são as modalidades e recursos disponíveis.

    Além disso, pode-se tentar descobrir quais alunos já desenvolveram pesquisas e entrar em contato com eles, a fim de saber mais sobre como todo o processo funciona, quais são as possibilidades e as linhas de pesquisa.

    Outra forma de saber detalhes é procurando os professores da graduação. Afinal, os orientadores são professores da própria Instituição. Sendo assim, entre em contato com os docentes das disciplinas que você mais se identificou e procure saber se eles têm alguma linha de pesquisa ou desejam instituir uma.

    A melhor chance de ser escolhido é estabelecer um bom contato com o docente, visto que a seleção fica a cargo do orientador. Desse modo, sabe-se que o aluno escolhido será aquele em que o professor enxerga compromisso, dedicação e esforço, além de interesse e inteligência.

    Uma dica importante é manter a média elevada. Afinal, as notas são um indicativo de como o aluno se comporta na faculdade. Se a média for baixa, subentende-se que o estudante não está conseguindo desempenhar as matérias com sucesso e, assim, dificilmente conseguirá ir bem nos estudos e manter uma iniciação científica concomitante.

    Isso porque o estudante que visa uma vaga na Iniciação Científica precisa ter em mente que será necessário trabalhar muito e gastar tempo livre dentro da faculdade. As atividades, normalmente, são exigentes e demandam esforço. Sendo assim, é necessário preparar a rotina para lidar com outras responsabilidades e desempenhá-las bem.

    Quais são as possibilidades na Iniciação Científica?

    Bolsa de estudos

    Após juntar todas as informações sobre as modalidades e linhas de pesquisa, é necessário ter os documentos exigidos em mãos e se candidatar para a bolsa.

    As bolsas possuem duração média de 1 ano a 1 ano e meio, podendo ser renovadas pela faculdade. Normalmente, existe um fundo da própria instituição para a realização de pesquisas, mas, em alguns casos, há apoio de agências fomentadoras de pesquisa científica. Assim, o estudante, juntamente com seu professor-orientador, recebe recursos para financiar e desenvolver o projeto.

    Realizar pesquisa no exterior

    No Brasil, a distribuição de bolsas internacionais é mais comum após a graduação, ou seja, para mestrado e doutorado. No entanto, é possível conseguir financiamento ainda na graduação e ir realizar pesquisas científicas no exterior.

    Para tanto, é preciso ver quais são os critérios da Instituição do aluno. Na maioria, é necessário apresentar um projeto para o desenvolvimento da pesquisa científica, ser aceito pela Universidade estrangeira e entregar uma carta de recomendação do orientador. Além disso, é preciso comprovar que o aluno possui proficiência na língua do país da Universidade que desenvolverá a Iniciação Científica.

    Na graduação e após a sua conclusão essa experiência é muito bem avaliada, visto que desenvolver uma pesquisa no exterior, em outra língua, demanda independência, organização e muita dedicação.

    Quais os benefícios de fazer uma Iniciação Científica na graduação?

    Além do aprendizado adquirido na Iniciação Científica, realizá-la é muito interessante para quem desejar seguir a carreira acadêmica ou trabalhar com pesquisa e desenvolvimento no futuro.

    Isso porque uma das bases da pesquisa é a metodologia. Realizá-la cria no pesquisador um grande senso metodológico, necessário para a melhor tomada de decisões e uma maior facilidade em visualizar o caminho correto, o que é extremamente útil para quem deseja trabalhar com pesquisa.

    Além disso, todos os debates, questionamentos e o trabalho para resolver problemas cria no aluno um senso crítico, estimula o raciocínio e promove um olhar diferente sobre a rotina, além da capacidade de defender ideias e argumentar sobre elas. Esse ganho é excelente para quem deseja ingressar na vida acadêmica, visto que a grande qualidade de um professor está no modo efetivo e criativo de repassar conhecimento.

    Por fim, participar de uma Iniciação Científica é sinônimo de fazer bons contatos, seja com professores, na Universidade, ou com outros pesquisadores. Afinal, um aluno que cria um bom trabalho e uma boa imagem na graduação sempre terá as portas abertas naquela Instituição e ganhará apoio de seus orientadores no futuro.


    Quem leu este post também leu:

    5 dicas para fazer um currículo lattes incrível

    A importância do inglês na carreira acadêmica

    8 dicas de como fazer um artigo científico