tese de mestrado

Aprenda a Diferença entre Tese de Mestrado, Dissertação e Monografia. Confira também os passos para fazer uma tese de mestrado nota máxima!

Após a graduação, uma dúvida muito comum é definir qual caminho seguir: o mercado de trabalho ou a carreira acadêmica? Se você decidiu — ou tem um maior interesse — pela segunda opção, parte fundamental para ter sucesso nesse segmento é entender os processos e avaliações. Por isso, saber o que é e como se preparar para fazer uma tese de mestrado deve ser o seu foco.

Não basta entrar em um programa de estudos, é preciso saber o que fazer para aproveitar ao máximo essa oportunidade, absorvendo o máximo de conhecimento possível. Todo o trabalho é canalizado na tese de mestrado, o momento em que você reúne o que foi aprendido durante os estudos e que vai ser utilizado para validar o seu trabalho acadêmico nesse período.

Apesar de importante, nem todo mundo sabe exatamente o que fazer para produzir um conteúdo relevante e, ao mesmo tempo, se preparar para a defesa da tese de mestrado. Que tal, então, tirar todas as suas dúvidas sobre esse assunto e saber o que fazer para aumentar as suas chances de sucesso na carreira acadêmica? Continue a leitura deste artigo e confira as nossas dicas!

O que pode ser exigido na conclusão de um curso, seja graduação ou pós?

Durante um curso acadêmico — seja ele uma graduação, MBA ou até mesmo doutorado —, é natural que se exija um trabalho de conclusão do curso. Essa é uma maneira de avaliar o que foi aprendido durante o período de estudos. Sendo assim, é comum que os alunos precisam produzir, ao final das aulas, uma pesquisa, artigo ou um trabalho mais elaborado para ser avaliado.

De forma mais simples: funciona como um resumo dos principais conceitos que foram abordados e aprendidos durante o curso. O nível de exigência e complexidade dessa pesquisa varia de acordo com o nível de graduação. A tese de mestrado, por exemplo, exige mais do estudante do que o trabalho de uma monografia, o que é completamente natural.

Em resumo, portanto, para obtenção do grau desejado, é necessário produzir um trabalho final que discorra sobre um determinado assunto abordado durante as aulas. Ou seja, o que foi aprendido — ou que resultou — aquele período de estudos? Por isso, para ter sucesso na carreira acadêmica, é preciso saber como funciona, na prática, uma tese de mestrado, monografia ou dissertação.

Quais são os principais tipos e as suas diferenças?

Como pontos semelhantes, todos esses trabalhos de conclusão de curso tem como objetivo abordar um tema específico que foi abordado durante as aulas. Além disso, a estrutura também é a mesma: dividida em introdução, desenvolvimento e conclusão. A linguagem impessoal e uma escrita concisa também são outras exigências em comum entre esses trabalhos.

As diferenças, porém, ainda são muitas entre eles e é fundamental conhecer as particularidades de cada uma delas para ter sucesso na carreira acadêmica. Por isso, separamos os principais tipos de conteúdo cobrados ao final de um curso e as características que você deve se atentar. Confira!

Monografia

Muito comum em cursos como graduação, MBAs e pós-graduações lato sensu, a monografia é uma análise mais aprofundada sobre um assunto relevante debatido durante o curso. A ideia é destrinchar a importância, particularidades e características do tópico escolhido, utilizando dados e outras pesquisas para corroborar as suas ideias e observações pessoais.

Dissertação

Em um nível de exigência maior, a dissertação requer um trabalho mais técnico e aprofundado de pesquisa, sendo exigido a presença de dados e entrevistas para validar o conteúdo. O objetivo é fazer uma análise mais profunda sobre um assunto a partir de um ponto de vista novo ou mesmo reforçando uma ideia que já foi abordada.

Tese de mestrado ou doutorado

Já uma tese, exige ainda mais do estudante. Nesse formato de conteúdo, é preciso propor um assunto a ser debatido e também apresentar uma solução, um novo conceito ou um ponto de vista inovador. As conclusões de cada estudo em uma tese devem servir como contribuições inovadoras para o tópico escolhido, enriquecendo ainda mais o debate acadêmico sobre o tópico abordado.

Como funciona um mestrado?

Antes de nos aprofundarmos nos pontos a serem considerados ao produzir uma tese, é importante saber como fazer um mestrado, o objetivo e as características desse curso. Primeiro, é preciso encontrar uma instituição de ensino que tenha um corpo docente de qualidade elevada e um programa que se adeque aos temas e assuntos que você deseja desenvolver.

Após essa etapa de escolha, você deve se candidatar, um processo de seleção que consiste, normalmente, em uma prova escrita, avaliação do seu pré-projeto e, por fim, uma entrevista de mestrado. O curso tem duração aproximada de dois anos — entre 18 e 24 meses — e exige máxima dedicação do aluno, já que as aulas presenciais não são tão frequentes quanto de uma graduação.

O mestrado é voltado principalmente para aqueles profissionais que desejam realizar pesquisas dentro da sua área de atuação ou quer dar aulas em instituições de ensino. Além das aulas, a maior parte do conhecimento vem da leitura de conteúdos sugeridos pelo corpo docente e participação em palestras, por exemplo. A sala de aula não deve ser o único local destinado aos estudos.

Todo esse processo, porém, é orientado por um professor, que vai auxiliar em todo o período de produção e construção da pesquisa. Seja para apresentar um novo olhar, seja para ajudar definir o tema a ser abordado, o orientador tem um papel importante nesse curso. Ao final do curso, o aluno deve apresentar um projeto final à banca examinadora para, assim, conseguir o grau.

Quais são as principais vantagens de ter um mestrado?

Além de entender como funciona, é importante compreender quais são as vantagens de ter um mestrado no seu currículo, certo? Por isso, listamos algumas delas aqui. Confira!

Acesso ao conhecimento

A principal vantagem de se inscrever em um curso de mestrado, estudar, pesquisar e defender a sua tese é, sem dúvidas, o acesso ao conhecimento. O curso é um período importante para aprender mais sobre a sua área de atuação, se desenvolvendo um profissional ainda mais competente, seja para seguir no setor acadêmico, seja para o mercado de trabalho.

Valorização no mercado

Caso a sua escolha seja seguir no mercado de trabalho, o mestrado é uma ferramenta importante para aumentar a sua valorização financeira. Um estudo da Catho, por exemplo, mostra que profissionais com cargos de analista podem ter uma valorização de até 118% caso adicionem um mestrado ou doutorado ao seu currículo profissional.

Diferencial competitivo

De acordo com um estudo do Centro de Gestão e Estudos Estratégicos, o total de profissionais na iniciativa privada no mercado de trabalho com um mestrado no currículo aumentou nos últimos anos. A pesquisa mostra que o total de 17% em 1996 aumentou para 26% em 1996. O mestrado, portanto, é uma forma de se diferenciar e seguir competitivo em meio à tanta concorrência.

Reconhecimento acadêmico

Enquanto estuda durante o mestrado, você também pode publicar estudos e artigos sobre o que tem estudado. Essa é uma maneira eficiente de colocar o seu nome em destaque dentro da sua área de atuação, fazendo com que mais pessoas se interessem pelo seu trabalho. Como consequência, isso pode abrir novas oportunidades de trabalho ou estudos no futuro.

Possibilidade de outros ganhos

Ao se tornar um mestre, é possível criar uma fonte de renda, dando aulas, por exemplo. Esse é um caminho muito comum para quem se interessa pela carreira acadêmica. Ou seja, além de fazer pesquisas e estudos, também é possível ampliar as suas opções de trabalho e contribuir para a formação de profissionais — e pesquisadores — cada vez mais capacitados.

Fortalece o networking

À medida que você vai se tornando mais experiente, é natural perceber que os seus contatos são fundamentais para o desenvolvimento da sua carreira, seja ela acadêmica ou não. Ao fazer um mestrado, você está convivendo com outros profissionais regularmente. Esses contatos podem, no futuro, se transformar em oportunidades de trabalho ou mesmo de novas pesquisas.

Abre oportunidades no exterior

Uma das exigências ao se candidatar para um curso de mestrado é o domínio de uma língua estrangeira. Ou seja, você já vai ter a capacidade de se comunicar, porém, é a partir do seu trabalho acadêmico que novas oportunidades podem surgir. Seja para estudar no exterior, seja para trabalhar, o mestrado é uma excelente forma de expandir o alcance do seu trabalho.

Como se preparar para criar uma boa tese de mestrado?

Mas, na prática, o que fazer para criar uma tese de mestrado de qualidade e entrega no prazo exigido? Para não deixar você na mão, separamos algumas dicas que podem ser muito úteis no período de conclusão do seu curso. Confira e as coloque em prática o mais rápido possível!

Crie uma rotina de produção da tese de mestrado

O passo mais importante para produzir uma tese de mercado de qualidade é criar uma rotina para a produção do conteúdo. Afinal, os prazos longos podem se tornar uma armadilha caso você não tenha a organização necessária. O ideal é criar uma agenda que contemple o tempo para os estudos, aulas, palestras, momentos de lazer e, é claro, algumas horas para a produção.

Dessa forma, a tendência é que o seu texto vá evoluindo conforme o seu desenvolvimento, sem pressa para entregar o documento em um prazo apertado. Outra vantagem de criar essa rotina é a possibilidade de utilizar os conhecimentos do seu orientador ao máximo. Enquanto escreve a sua tese, ele pode orientar aos poucos e de forma mais precisa o direcionamento a ser seguido.

Estabeleça metas para a tese de mestrado

Uma forma muito eficiente para se organizar em relação ao ritmo de produção da tese de mestrado é estabelecer metas. Quer um exemplo? Separe o tempo de duração do seu curso e defina prazos para entrega, por exemplo, da introdução e, em seguida, para os próximos capítulos. Lembre-se de deixar uma folga para imprevistos e, é claro, a revisão de tudo o que foi produzido.

Salve cópias dos arquivos

Outro ponto relevante que precisa ser considerado é o armazenamento dos arquivos. Imagine perder um capítulo inteiro por conta de um problema no computador ou então uma exclusão acidental? É preciso tomar muito cuidado com os seus documentos e o ideal é salvar mais de uma cópia regularmente. Salve no computador, em um pendrive e até envie para você mesmo por e-mail.

Atente-se às normas exigidas para a Tese de Mestrado

De nada adianta produzir um conteúdo de qualidade se, na prática, ele não segue às normas exigidas, tanto de escrita, quanto de formatação. É importante seguir todas as exigências desde o início do seu processo de produção. Não se esqueça: sempre que tiver alguma dúvida, você também pode consultar o seu orientador sobre o que fazer.

O que considerar para uma boa defesa da tese de mestrado?

Ao finalizar e entregar a tese de mestrado, ainda existe uma outra etapa a ser superada: a defesa. É fundamental se preparar e conseguir extrair o melhor do seu material. Afinal, a maioria dos cursos avalia também essa apresentação. O mais importante é lembrar que a banca examinadora já leu os conteúdos que você produziu, ou seja, não é necessário entrar em muitos detalhes.

Portanto, se concentre em alguns pontos mais amplos, como as razões para o seu interesse sobre aquele assunto ou como você encontrou o problema que propõe solucionar. Além disso, é importante destacar quais foram os avanços e descobertas resultados do seu estudo. Relate todo o processo, inclusive as dificuldades enfrentadas durante a produção e o que foi feito para superá-las.

Ao seguir os passos acima para a produção da tese de mestrado e colocar em prática as nossas dicas para defendê-la com eficiência, a tendência é que o seu trabalho acadêmico seja aprovado. O mais importante é produzir um conteúdo relevante para a sua área de atuação, aumentando as suas chances de convencer a banca avaliadora de que a sua perspectiva é válida.

Agora que você já sabe quais ações deve colocar em prática para produzir e defender uma tese de mestrado de qualidade, que tal ficar por dentro de outros assuntos relevantes sobre a área? Afinal, a carreira acadêmica tem diversas possibilidades e desafios a serem descobertos.

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.